Skip to content

06/07/2005

Foi em gueda, h 15 anos. No sabia que existia coisa assim. Algo que no me era familiar, incompreensvel para um adolescente. Os movimentos sncronos e assncronos, a diversidade das texturas musicais, os figurinos, as tenses e as distenses. Era tudo muito diferente daquilo que estava habituado a ver e ouvir e, por isso, senti-me atrado por to poderoso espectculo.
Recordo-me, sada, de reparar no impacto que a novidade teve nas pessoas. assim a 3 lei de Newton, reagimos perante aquilo que nos perturba, que mostra perspectivas diferentes. Ou simplesmente, porque no estamos habituados, estranhamos.
Passados alguns anos, pela mo do meu irmo Pedro, revejo o Ballet Gulbenkian no grande auditrio da fundao. Nesse dia, percebi que no poderia perder mais oportunidades para usufruir de momentos de to rara beleza. Emocionei-me. Por isso, passei a integrar o pblico annimo do Ballet Gulbenkian.
Depois de alguns espectculos, surgem os elementos comuns aos espectadores mais assduos. Reconhecemos a silhueta dos bailarinos, percebemos como interpretam esta personagem ou aquela funo. Escolhemos os nossos e as nossas preferidas e seguimo-los com mais ateno. Percebemos quais as peas que correm melhor e as que funcionam menos bem. Sentimos o Ballet Gulbenkian como nosso.
Acabar com o Ballet Gulbenkian acabar com tudo isto, acabar tambm com o seu pblico.
Resta-nos a indignao. Digo e direi no ao fim do Ballet Gulbenkian.

Anúncios

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: